Material muito usado em laboratório, a pipeta tem a função principal de transportar quantidades precisas de material líquido. É utilizada em diversos exames médicos e no estudo da biologia molecular.

Existem vários tipos: a pipeta graduada, pipeta volumétrica, a pipeta automática e também as micropipetas que são usadas para quantidades muito pequenas de líquido.  A pipeta mais barata é a Pipeta de Pasteur, utilizada geralmente para pingar líquidos em outras substâncias.

As pipetas funcionam utilizando um sistema a vácuo. Sua base possui uma abertura por onde entra o líquido e uma ou mais saídas em seu topo por onde ocorre à saída do ar.  A pipeta é colocada no líquido, a substância então entra pela base e preenche a parte interna da pipeta. Depois disso a abertura de cima deve ser fechada criando o vácuo para segurar o líquido dentro. Para capturar a quantidade exata, é necessário sugar mais do que o necessário. Nas pipetas graduadas tem que soltar o ar aos poucos para chegar a quantidade desejada.

As pipetas graduadas são detentoras de escala o que permite a variação de volumes, possuem ainda uma ou duas listras em suas extremidades superiores que permitem a divisão parcial ou total respectivamente.